terça-feira, 24 de agosto de 2010

Garganta Online: O Enigma do Ettin - Parte 3

Parte 3 – No Labirinto dos Minotauros

A terceira seção foi excelente, com uma interpretação mais apurada dos personagens, e pela primeira vez rolaram os dados. Pancadaria pura! A adição de um fundo sonoro, preencheu bastante a aventura, achei interessante, apesar de ter ficado um pouco perdido para coordenar a play list, heheh.

Reporte da Seção

Os personagens saem de New Keep no meio da madrugada, indo em direção ao pé das montanhas da espiral do trovão, em busca das ervas para Turgon preparar uma poção que possa derrubar o gigante. O dwarf Gert Whinewisker se propõe a guiá-los, e segue com o grupo. No meio da noite o cheiro de orcs espreitava os viajantes, que desviam a floresta viajando pelas beiradas do rio. Ao amanhecer, encontram um acampamento de orcs, próximo a antiga cidade de Old Keep, a maioria deles estava dormindo e os PCs conseguem de novo sair furtivamente evitando o encontro.

Chegando á cidade velha, o grupo encontra um local destruído, com indícios de o que havia sido uma cidade antes, e depois fora transformado num campo de treinamento militar dos orcs. Paliçadas fortificavam os arredores da cidade, porém abandonada. Se há ainda alguns orcs na cidade devem estar vivendo isolados, ou escondidos, pois mais parece uma cidade fantasma.

Nayaha encontra um cemitério, com algumas lápides recentes contendo os nomes de Gordel, Thorvald Meiogranito e Zimlann. Ela tem um flashback de seu passado com Kirnym, num tempo menos conturbado, onde vivia no palácio e a vida parecia ter menos preocupações. Ela lembrou domomento que Kyrnym deu a ela um pendante de madeira, entalhado por ele mesmo, no formato de um pássaro que simbolizava a liberdade que era uma sentimento forte de Nayaha.

O clima começa a ficar pesado quando surge de dentro da fortaleza o Gigante de duas cabeças. Seguranda a metada de um Orc em uma das mãos, ele ataca ferozmente o grupo. Rowdy dá uma chifrada no gigante, mas é nocauteado em seguida. Nayaha atinge ele na perna duas vezes com seu arco depois de se refugiar no telhado de uma das casas. O gigante arremessa Gert em Nayaha, O dwarf se estatela no chão. Após receber de um golpe de Turgon, corre para a mata, mancando com duas flechas da mesma perna, mas ignorando a dor. O grupo reconhece que a ameaço do gigante é grande, mesmo para guerreiros experientes. Nayaha e Turgon percebem que as duas cabeças pareciam estar conflitando entre si durante o combate. Rowdy promete que se cruzar com o gigante de novo, não pretende poupar sua vida.
Eles seguem para o pé da montanha. A tensão se alivia e chegam num local tranqüilo, que parece pouco habitado. Uma gigantestca cabeça de minotauro é Talhada direto na pedra, e de sua enorme boca, explode uma cachoeira que origina o Rio que segue profundo no vale. Turgon colhe as ervas que precisa na nascente do Rio, e executa um ritual para tentar descobrir mais sobre os eventos. Tudo que ele vê é a imagem de um Ettin atormentado tentando fugir de alguma coisa.

No topo da montanha há a fortaleza de Stondilus. Para chegar a ela os personagens devem escalar, ou tentar procurar uma passagem pelo meio da rocha. Rowdy encontra uma entrada atráz da queda dágua. Eles entram dentro da rocha e encontram um labirinto abandonado, no seu interior várias estátuas assim como a arquitetura acusam a construção secular de um antigo reino de minotauros. O labirinto encontra-se parcialmente destruído e algumas paredes e passagens já foram abaixo. Os personagens vagam por várias horas, indo para o fundo, onde encontram vestígio de possíveis moradores. Segundo o dwarf só podem ser Goblins. Depois de mudar de rota, encontram o caminho para o alto da montanha, passando por um grande apuro quando a enorme escadaria que os levaria para o alto começa a desmoronar. O pequeno dwarf deu uma mão amiga para o pesado minotauro, o ajudando a escapar desse enrascada. Assitidno a gigantesca escada ruir eliminando a possibilidade de voltar atrás os aventureiros se encontram num curto parapeito no enorme paredão dentro do interior da montanha.

Não se sabe onde é a saída pelo alto. É possível avistar algumas criaturas espreitando o grupo, escalando as paredes do labirinto, talvez aracnídeos, talvez humanóides, o quem sabe uma mistura dos dois!

2 comentários:

Fer Loch disse...

Olá nobres companheiros,

Detalhe técnico: percebi uma certa dificuldade no RPG online durante ações mais rápidas como um combate ou durante a nossa corrida pelas escadas. A questão do timming.

Por mais que a conexão seja rápida, sempre existe um pouco de delay. Assim, por vezes os dois players e o Dm começavam a falar ao mesmo tempo. Em outros momentos, enquanto o Dm estava em loading, eu não sabia se era porque estava esperando eu falar algo ou porque eu deveria ter uma reação contra algo que havia falado mas eu não tinha entendido.

Isso não atrapalhou o bom andamento do jogo, uma excelente seção - acho que todos estamos ficando mais apurados com o método online, mas se pudessémos pensar em algo para evitar esse delay meio "Jornal-quando-fala-com-correspondente-ao-vivo" acho que ia ser bem legal!

Quem sabe poderíamos usar mais a tela para escrever? Sei lá...

See you!

Carlos Luzzi disse...

Bom, acho que principalmente o delay foi da nossa reação, e não da transmissão do áudio. O fato de as vezes dois começarem a falar ao mesmo tempo, é normal, acontece até numa mesa ao vivo, acho que é o tipo de coisa que acontece mesmo. Na parte do labirinto, lembro que alguns momentos houve um silêncio, mas era mais aqueles segudnos extra que os jogadores estavam raciocinadno sobre que direção tomar. Não vejo problema nisso. Eu mesmo dei alguns momentos de silêncio antes de entrar em algumas cenas para deixar a música rolar e criar o clima antes da narração. Coisa de poucos segundos, mas acho que isso até ajuda na narrativa. Enfim.. acho que é apenas uma questão de adaptação.

ps, Fernando, vc tava com um bom senso de orientação, qdo vc achava que o labirinto levaria de novo ao começo, tinha acertado, era bem por aí mesmo... hahaah... Abs!

Carlos